O Código He-Man: Narrativas Forjadas em um Banco de Dados Analógico

postado em: Atualizações, Bancas | 0

Realizada no dia 26 de março de 2019, Augusto Ramos Bozzetti defendeu a sua dissertação intitulada “O Código He-Man: Narrativas Forjadas em um Banco de Dados Analógico”.

Da esquerda para direita: Prof. Dr. Roberto Tietzmann (PUC-RS) , agora Mestre Augusto Ramos Bozzetti, o orientador e Prof. Dr. João Damasceno Martins Ladeira (UNISINOS) e Prof. Dr. Gustavo Daudt Fischer (UNISINOS).

A pesquisa busca compreender a forma através da qual os desenhos animados se organizam como estratégia de sobrevivência no ambiente televisivo, a partir da série de animação “He-Man e os Defensores do Universo”. Com uma demanda agressiva de conteúdo no espaço televisivo, somada às limitações severas de prazo e orçamento, é convocada e provocada a emergência de articular uma espécie de código de programação similar ao que acontece nas mídias digitais – ainda que isso se dê de forma analógica e artesanal.

Percurso e experiência de pesquisa

Para Augusto, conforme seu relato, o percurso da dissertação foi bem dinâmico:

“Ingressei no PPG com um projeto sobre documentários, mas quase no final do primeiro semestre ainda estava patinando e resolvi mudar completamente, iniciando praticamente do zero para falar sobre estéticas de animação dento do contexto tecnológico. Neste momento, o corpus da minha pesquisa era enorme e cobria uma espécie de linha histórica, indo desde pioneiros como Winsor McCay até séries de TV atuais. No final do segundo semestre, o projeto já estava diferente de novo e para o seminário de dissertação, comecei a introduzir uma ideia de correlação entre desenhos animados e as novas mídias, diminuindo a carga sobre as estéticas. Agora, meu corpus já estava mais focado em séries de animação dos anos 80.”

É a partir da banca de qualificação que alguns direcionamentos tomam forma, conforme o autor aponta:

“No final do terceiro semestre, para a banca de qualificação, minha pesquisa se voltou totalmente para a questão das novas mídias, onde eu procurava traçar uma relação de genealogia entre os desenhos animados (analógicos) e a questão digital. Restaram aqui, para o corpus, as séries “Superamigos”, “O Desafio dos Superamigos” e “He-Man e os Defensores do Universo”. A partir daí, tive que dar um passo atrás para fazer algo que coubesse na dissertação e que não estivesse além do meu alcance. No final, acabei focando no comportamento modular da série He-Man e os Defensores do Universo (que restou como único corpus) e sua organização através de um banco de dados feito de forma analógica.”

Fonte: Elaborado pelo autor (Augusto Ramos Bozzetti);

“O desafio inicial (no mestrado) foi dar conta de absorver a carga teórica da linha de pesquisa, bem como conseguir articulá-la através de materiais empíricos que fizessem jus às discussões. No entanto, meu ponto de partida sempre esteve nas teorias e descobrir como eu queria (ou podia) organizá-las foi a única maneira de conseguir chegar aos materiais empíricos, fechando o corpus e fazendo um recorte possível para as análises.”

Augusto Ramos Bozzetti

Entre escavações e reconstituições

Augusto parte de movimentos escavatórios, trabalhados a partir da metodologia da arqueologia das mídias, para realizar sua análise nas imagens da série de animação com o intuito de perceber de que maneira esse objeto em particular opera tendo como base a descontinuidade e a modularidade de seus elementos, no sentido de construir suas narrativas através de um banco de dados bastante limitado o qual alimenta um número virtualmente infinito de opções combinatórias para, assim, dar origem aos conteúdos.

Fonte: Elaborado pelo autor (Augusto Ramos Bozzetti).

Para demonstrar visualmente seu objeto empírico e auxiliar na sua investigação, Augusto elaborou recriações do desenho utilizando papel acetato, que, posteriormente, foram fotografados frame por frame pelo telefone celular, onde colocados em movimento se assemelhavam ao desenho original. A ideia era reconstituir as diferentes camadas de acetato conforme a análise do filme original sugere e botá-las a prova, filmando de novo. Desta forma, procurou-se identificar como a modularidade deste objeto age para produzir os sentidos experimentados durante a sua fruição.

Para Augusto, “assim como um artista forense recria um rosto a partir de um crânio, trazendo para o presente algo que se perdeu no tempo e no espaço, foi uma tentativa de agir sobre as materialidades do objeto de forma arqueológica para encontrar coisas que apenas o filme que resta hoje não mostra.”

Fonte: Elaborado pelo autor (Augusto Ramos Bozzetti).

Próximos passos

Tendo concluído o Mestrado com a sensação de que se tivesse continuado a pesquisa, para Augusto mais mudanças ocorreriam. Dessa forma, ele resolveu ingressar no PPG novamente para dar sequência nesse projeto agora como uma tese de Doutorado. Augusto ainda diz que:

“Meu ponto de partida inicial será retomar a ideia de genealogia entre desenhos animados e novas mídias, aprofundando a discussão sobre a maneira de ser das mídias digitais e como isso se atualiza (ainda que por antecipação) em uma mídia analógica (e altamente artesanal) como os desenhos animados feitos antes do computador.”

A pesquisa “O Código He-Man: Narrativas Forjadas em um Banco de Dados Analógico”, de Augusto Ramos Bozzetti está integrada ao grupo de pesquisa TCAv (Audiovisualidades e Tecnocultura: comunicação, memória e design). A defesa ocorreu no dia 26 de março de 2019, no campus São Leopoldo. A banca de avaliação foi composta pelo Prof. Dr. Roberto Tietzmann (PUC-RS), Prof. Dr. Gustavo Daudt Fischer (UNISNOS) e por seu orientador Prof. Dr. João Damasceno Martins Ladeira (Orientador).

A dissertação está disponível no Repositório Digital da Biblioteca da Unisinos, através do link: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/8907.

Texto: Camila de Ávila e Pedro Bughay.

Deixe uma resposta