Os Mundos Fílmicos nos buscadores Google e Duckduckgo

postado em: Atualizações, Bancas | 0

“Não consigo lembrar de minha vida antes da presença de algum dispositivo de imagem.” Assim começa o texto de qualificação da doutoranda Simone Barreto de Almeida. A sua tese, intitulada (até o momento) “OS MUNDOS FÍLMICOS NOS BUSCADORES GOOGLE E DUCKDUCKGO: Em busca de No Paiz das Amazonas, de Silvino Santos” se propõe a desarquivar, a partir destes buscadores, um filme da segunda década do século passado.

O exame de qualificação aconteceu no dia 02 de junho, de modo remoto e teve como avaliadores o Prof. Dr. Leandro Pimentel Abreu (UERJ), o Prof. Dr. Gustavo Daudt Fischer (UINISNOS) e a orientadora Profa. Dra. Sonia Estela Montaño La Cruz.

A pesquisador busca a compreensão do filme dentro de uma outra forma de exibição – a partir do contato com as interfaces digitais. Observando esse filme como um arquivamento feito pelos buscadores e, ao Anarquivar o filme, produz uma cartografia de como os buscadores mostravam o mesmo.

O texto articula conceitos caros a linha de pesquisa, como tecnocultura, audiovisulaidades, montagem, memória, forma cultural e arquivo. Pensando os buscadores como como um corpo que percebe para agir. Os procedimentos metodológicos são a Cartografia, a partir da construção do território em outros tipos de ordem, criando mapas e coleções; e o Anarquivamento, onde a autora reconhece/descreve a “ordem natural” operada pelos buscadores na atualização do filme, para logo a seguir questionar essa “ordem natural”, imprimindo uma anarquia nas relações de poder constituídos pela produção de sentidos e relações.

Como o buscador arquiva, como ele arquiva ele mesmo e como ele se apropria do mundo?

Empresas que se apresentam e se imaginam de forma diferente

A banca

O Prof. Leandro Abreu apontou pontos do trabalho referentes a impossibilidade de haver um arquivo neutro e discussões acerca de como podemos resistir a esse controle, imposto pelos algoritmos de busca sob uma falsa promessa de liberdade. Também sobre a possibilidade de “entrar” no filme e nas relações que ele pode construir com outros arquivos. Além disso,  pensar no esquecimento, tanto imposto pelo dispositivo quanto pelas imagens que ele nos apresenta.

Seja na enormidade de dados acessíveis por meio de um computador conectado ou no meio da floresta, os buscadores parecem ter se tornado uma prótese de nossa memória e, nesse sentido, uma ferramenta que se instalou de modo orgânico, interferindo discretamente na nossa percepção do mundo.

Já o Prof. Gustavo Fischer chamou a atenção para quais imagens são estas que os buscadores produzem, a partir do próprio “treinamento” que nós damos a eles. Essa perspectiva torna possível pensar nas imagens que o buscador “devolve”, ou seja, produz e como elas são produtos de uma tecnocultura.

A pesquisa “OS MUNDOS FÍLMICOS NOS BUSCADORES GOOGLE E DUCKDUCKGO: Em busca de No Paiz das Amazonas, de Silvino Santos”, de Simone Barreto de Almeida está integrada ao grupo de pesquisa TCAV (Audiovisualidades e Tecnocultura: comunicação, memória e design) e a defesa do texto final deve ocorrer no início de 2023.

Texto: Leonardo de Mello

Deixe um comentário