Sentidos produzidos pelo sistema de recomendações na interface cultural da Netflix

postado em: Atualizações, Bancas | 0

No dia 02 de julho, às 14h, o discente Jader Fontoura de Moraes defendeu a sua dissertação de mestrado intitulada “Sentidos produzidos pelo sistema de recomendações na interface cultural da Netflix”, orientada pelo professor Dr. Gustavo D. Fischer. A defesa ocorreu em formato online e a banca avaliadora foi composta pelos professores Prof. Dr. André Fagundes Pase (PUCRS), Prof. Dr. Tiago Ricciardi Correa Lopes (UNISINOS), Prof. Dr. Gustavo Daudt Fischer (Orientador).

Sobre a pesquisa

A pesquisa de Jader teve como objetivo compreender as estratégias utilizadas pelo sistema de recomendações da Netflix na ação de catalogar o comportamento humano, a fim de mapear o comportamento do próprio algoritmo. A partir de seu objeto empírico, a interface da Netflix, Jader percebeu a importância de desnaturalizar os sistemas e os algoritmos para ver a parte invisível do sistema, o que está por trás da interface cultural da Netflix.

Sua base teórica partiu das perspectivas dos autores da Linha de Pesquisa Mídias e Processos Audiovisuais, onde os conceitos de Tecnocultura e os devires das audiovisualidades possibilitaram compreender os fenômenos culturais a partir da tecnologia, considerado por Jader como um aspecto significante para a pesquisa. Além disso, foi possível entender as virtualidades do audiovisual se atualizando nas materialidades observadas. Outros conceitos importante para a pesquisa foram as interfaces culturais, de Lev Manovich, junto à abstração de dados abordada pela autora Wendy Chun.
A partir dessa base, Jader considerou a relação entre o usuário e o software, observando que os sistemas de recomendações partem de uma análise do comportamento do usuário: essa análise é memorizada em uma base de dados e lida por algoritmos que tentam encontrar padrões de comportamento. Nas plataformas de streaming, como a Netflix, essa leitura é utilizada para alimentar os sistemas de recomendações, que irão catalogar o que o streaming oferece através da interface cultural, retornando o ciclo para o usuário. 

Metodologia

Segundo Jader, sua metodologia iniciou com as escavações na interface cultural da Netflix, partindo de alguns documentos oficiais, como entrevistas e artigos publicados por funcionários da Netflix. A partir desses documentos foi possível compreender as terminações dos elementos percebidos na interface da Netflix: as categorias, miniaturas, indicação etária e sistema de avaliações, além das microtags.

Imagem produzida por Jader Fontoura

Outra metodologia importante utilizada na pesquisa foi a cartografia, baseada em Walter Benjamin (2006). A cartografia foi utilizada para explorar o território da interface cultural da Netflix e, ao mesmo tempo, compreender as limitações desse território. A partir dessa cartografia foi possível então construir as constelações de sentido, delimitando as bordas de sentidos dentro dessa interface cultural. Já o método da flânerie foi utilizado segundo Jader, pois ainda não se tinha um objetivo específico nessa experimentação. Para o autor, as observações foram conduzidas pelo sistema de recomendação, o que o fez entender “o que estava ali implícito”.

Imagem produzida por Jader Fontoura

Para conduzir esta experimentação, Jader criou três perfis:

O primeiro, P1,  foi criado para ser experimentado em diversos dispositivos. Na criação desse perfil não foi fornecida nenhuma indicação de preferência de filmes, e foi a partir desse perfil que Jader observou que o sistema de recomendações da plataforma acaba recomendando o que é mais popular, e que, aos poucos, o sistema passou a construir as recomendações a partir da experiência de Jader como usuário. O segundo perfil, P2, foi utilizado somente em um navegador, também sem escolha de títulos favoritos. Já no último perfil, P3, houve a escolha dos títulos favoritos. 

Imagem produzida por Jader Fontoura

A partir destas observações foi possível formar as constelações de sentido:

Sentido de Transparência – este sentido está dentro do critério etário, que é onde o sistema de recomendação parte para ofertar o conteúdo.

Imagem produzida por Jader Fontoura

Sentidos de Individuação – este sentido é percebido a partir do critério regional que o algoritmo segue, observado a partir da categoria Top 10.

Imagem produzida por Jader Fontoura

Sentido de Nichamento – este sentido foi percebido a partir do critério de categorização, observado nas microtags – os rótulos das produções.

Imagem produzida por Jader Fontoura

Sentido de Pegajosidade – relacionado à proposta de que o usuário fique na plataforma para consumir conteúdos dentro dela. Esse sentido foi exemplificado a partir da categoria dos originais da Netflix.

Imagem produzida por Jader Fontoura

Para Jader, dadas estas constelações de sentido, também foi possível perceber que os interesses corporativos da empresa Netflix e os interesses dos usuários em alguns momentos são conflitantes. Pode ser observado, por exemplo, que existe a liberdade do usuário escolher mas, ao mesmo tempo, essa liberdade oferecida é utilizada para que o sistema de recomendações entenda o comportamento do usuário. 

Sobre a banca

Uma das observações do Prof. Dr. André Fagundes Pase, foi sobre a potência das experimentações na pesquisa, o quanto foi importante colocar o algoritmo para jogar, testar, ver dar certo e ver dar errado. Isso também enriquece a pesquisa e o pesquisador. Para o professor Dr. Tiago Lopes, a pesquisa aponta vários insights que podem ser desdobrados futuramente. Estes desdobramentos podem ser pensados nas experimentações de Jader, “nesse jogo jogado com os algoritmos” onde somos todos participantes de alguma forma.  

Texto Flóra Simon da Silva

Deixe um comentário