#TecnometodologiasTCAv – As audiovisualidades das AppHQs

  • Os textos que compõem esta seção constituem uma investigação dos procedimentos técnico-metodológicos utilizados nas pesquisas de mestrado e de doutorado de integrantes e de egressos do Grupo TCAv.
Título do trabalho: Audiovisualidades nos quadrinhos digitais: como se dá o tensionamento das molduras quadrinhos, audiovisual e software/interface nas AppHQs
Nível: Dissertação de Mestrado
Autor: Émerson Vasconcelos Almeida
Orientador: Dra. Gustavo Daudt Fischer
Ano de defesa: 2013
Tags: quadrinhos digitais, apphqs, molduras, audiovisualidades;
Link da Tese: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/5148

Émerson Vasconcelos Almeida é formado em jornalismo pela Unisinos e Mestre em Comunicação Social pela mesma universidade, além de ser Editor-Chefe do Jornal Timoneiro em Canoas/RS e organizador do evento Comic Con RS, desde 2011. Em sua dissertação de mestrado “Audiovisualidades nos quadrinhos digitais: como se dá o tensionamento das molduras quadrinhos, audiovisual e software/interface nas AppHQs”, defendida no ano de 2013, sob orientação do professor Dr. Gustavo Daudt Fischer, o autor investiga de que maneira as estratégias audiovisuais tradicionais agem sobre as AppHQs a partir da interface cultural, uma vez que sua qualidade como aplicativo o faz respeitar uma lógica que reside na dimensão do software.

Para compor o referencial teórico deste trabalho, Almeida faz um arranjo que parte de autores que se ocupam com as histórias em quadrinhos, como Will Eisner e Scott McClloud, para poder entender melhor os materiais empíricos em sua forma tradicional, colocando-os ao lado de autores basilares da Linha de Pesquisa 1 – Mídias e Processos Audiovisuais, como Walter Benjamin e Henri Bergson e outros tradicionais como Philippe Dubois, Lev Manovich e Marshall McLuhan, que ajudam não só a construir o objeto e o problema de pesquisa, mas também a entender a dimensão cultural do software e as questões que se precipitam na era digital, além da professora Doutora Suzana Kilpp, fundamental para a construção metodológica e análise dos materiais.

Como já é tradicional nas pesquisas realizadas pela Linha 1 e pelos participantes do grupo de pesquisa TCAv, o autor constrói seu objeto de pesquisa a partir do método intuitivo conforme proposto por Deleuze, com base na obra de Bergson, tendo como base um misto que traz de um lado virtual os quadrinhos e de um alado atual as HQs digitais. Dessa forma, a ideia é procurar entender de que maneira os quadrinhos se atualizam nas AppHQs.

Assim, Almeida estrutura sua investigação tendo como objeto final “O tensionamento ocorrido entre as molduras audiovisual, quadrinhos e software/interface nas AppHQs” e cujo problema de pesquisa passa a ser “Como as estratégias audiovisuais identificadas preliminarmente nos materiais já citados atuam sobre os quadrinhos digitais e como tensionam a moldura quadrinhos?”.

O trabalho corre na direção de perceber como a introdução do som e recursos de animação possibilitados pelo software modificam a relação espaço/tempo que tradicionalmente se colocava nas histórias quadrinhos analógicas, ou seja, nas revistas e publicações físicas impressas em papel. Adiciona a isso a compreensão do Computador como um metameio (baseado nos pressupostos de Manovich), um meio capaz de reunir características de meios já existentes e de outros, que ainda estão por surgir.

Para o corpus de análise, foram escolhidos três formatos de quadrinhos digitais. O primeiro foi Patre Primordium, que é App e HQ ao mesmo tempo, baseado no mangá brasileiro homônimo e que conta as aventuras da jovem Amanda Angel, envolta em mistérios sombrios em uma série de ação e fantasia.

O segundo material selecionado foi o aplicativo Comixology, que permite a fruição de HQs originais das tradicionais editoras norte-americanas Marvel e DC, inserindo efeitos de apresentação, edição e montagem audiovisual como transições e movimentos de câmera a materiais que não foram pensados assim originalmente.

HQ da DC comics acessada através do app Comixology

Por fim, foi selecionada a HQ Luther, que foi publicada no site do seu autor, Mark Waid, e que, mesmo não possuindo um aplicativo próprio, passa a demonstrar características de AppHQ quando acessada através de smartphone ou outros dispositivos com tela sensível ao toque.

HQ Luther acessado por dispositivo iPod

Para compreender como as audiovisualidades operam nas AppHQs e sobre como o corpus selecionado se relaciona com a tecnocultura, Almeida estrutura sua pesquisa a partir de três macromolduras: “quadrinhos”, com base nos autores da área (já citados), “software/interface”, numa noção a respeito dos novos meios e “audiovisual”, baseando-se no conceito das audiovisualidades.

Assim, sua estratégia metodológica propõe a montagem de constelações, a autenticação das molduras presentes nos materiais e dissecação das imagens dos mesmo, permitindo a dar a ver determinadas questões que nem sempre estão claras quando exibidas em fluxo.

Diagrama de funcionamento do software e tabela de análise de “Patre Primordium”
Diagrama de funcionamento do software, transições e tabela de análise de “Comixology”
Tabela de análise de “Luther”

O autor conclui que, a partir da autenticação das três macromolduras (quadrinhos, software e audiovisual), onde cada uma se impõe sobre as demais a depender do material analisado, sua preocupação inicial a respeito de as AppHQs serem ou não quadrinhos passa a ser irrelevante.

As estratégias audiovisuais como movimentos de câmera e o uso do som como uma espécie de guia que condiciona o usuário, percebidas nesta pesquisa, assim como os limites impostos pela tela (e não mais as páginas das HQs) na experiência de fruição destes objetos, demonstra a complexidade do atravessamento destas macromolduras para a construção das AppHQs, ratificando a importância dos materiais empíricos não apenas para os estudos dos próprios quadrinhos, mas principalmente para os estudos das audiovisualidades e dos softwares, cada vez mais centrais nos processos culturais e comunicacionais do séc. XXI.

Texto: Augusto Ramos Bozzetti

Deixe uma resposta